Visualizações deste Blogue:

domingo, 25 de setembro de 2011

Preto e Branco

Quem me conhece sabe que não gosto muito de reencaminhar e-mails de pessoas desconhecidas. Não sei realmente se o facto/fato que transcrevo abaixo aconteceu na verdade ou se é pura ficção, pois desconheço o autor do texto. Mas tenho de admitir que, na minha opinião, é simplesmente fantástico!!!

Ah! Não deixe de assistir o vídeo no final do texto. Banda Vera Louca, com o tema Preto e  Branco.

Recebi o texto via e-mail, que me foi reencaminhado por uma pessoa da família.

Por me identificar plenamente com a mensagem intrínseca no texto abri uma excepção e postei no Alto-Relevo.

Se realmente isto ocorreu só me cabe dar os parabéns a este comandante pois tomou uma decisão digna do Rei Salomão.

Passo a transcrever o texto na intriga:

“Aconteceu na TAM (Companhia Aérea Brasileira), pessoal, é verídico!!!

Uma mulher branca, de aproximadamente uns 50 anos, chegou ao seu lugar na classe econômica e viu que teria de se sentar ao lado de um passageiro negro.

Visivelmente perturbada, chamou a hospedeira/comissária de bordo.

Em que posso ajuda-la senhora? – Pergunta a hospedeira/comissária de bordo para a senhora.

Você não está vendo? - Responde a senhora – Vocês me colocaram ao lado de um negro. Não posso ficar aqui! Você precisa me dar outra cadeira!

Por favor, acalme-se. Infelizmente, todos os lugares estão ocupados, no entanto, vou verificar se ainda temos algum disponível.

A hospedeira/comissária se afasta e volta alguns minutos depois.

Senhora, como lhe disse, não há nenhum outro lugar livre na classe econômica. Entretanto falei com o comandante da aeronave e ele confirmou que não temos mais nenhum lugar vago na classe econômica. Temos apenas um lugar na primeira classe.

Antes que a mulher fizesse algum tipo de comentário, a hospedeira/comissária continua:

Veja, não é comum na nossa companhia permitir que um passageiro da classe econômica se assente na primeira classe. Porém, tendo em vista as circunstâncias, o comandante pensa que seria escandaloso obrigar um passageiro a viajar ao lado de uma pessoa desagradável.

E, dirigindo-se ao senhor negro, a hospedeira/comissária prosseguiu:

Portanto senhor, caso queira, por favor, pegue a sua bagagem de mão, pois reservamos para o senhor um lugar na primeira classe...

Neste momento todos os passageiros próximos, que, estupefactos assistiam à cena, aplaudiram, alguns chegaram mesmo a fazê-lo de pé.”

Há frases que realmente dizem tudo!

“Enquanto a cor da pele for mais importante que o brilho dos olhos, ainda haverá guerra.”

(Bob Marley)

Para reflectir:

Você acredita que se este facto/fato ocorresse na primeira classe, a postura da tal empresa aérea seria a mesma?

Boa reflexão.



E como sempre, um abraço de carne e osso.

sexta-feira, 1 de julho de 2011

A Eterna Torre de Babel





A narrativa bíblica contida no Géneses diz que o homem iniciou a construção de uma torre cujo objectivo era o de alcançar o céu na intenção de chegar a Deus. Conforme a torre crescia alguns homens vislumbraram a hipótese de também eles serem deuses. Verificando a intenção dos homens, Deus destruiu a torre e castigou-os de forma que falassem línguas diferentes e com isto nunca mais se entendessem. Genesis 11 : 4-9


Por diversas vezes sinto-me como se fosse um extraterrestre a observar a tudo o que vem acontecendo neste nosso mundo.

Pedofilia

Instituições que deveriam ser consideradas e estimadas como pilares da sociedade estão a ser ridicularizadas e destruídas. Como podemos admitir que padres, professores(as), pais e mães… profanem o corpo de crianças que são na sua essência a mais pura expressão de verdadeiros anjos? Como podemos permitir que uma criança seja ela branca, negra, amarela… Ocidental ou Oriental… possa estar a viver sem as mínimas condições e muitas delas a viverem nas ruas das “grandes cidades” mundiais a comer restos de comida já deteriorada, recolhida nos contentores de lixo?

Catástrofes

Como se não nos bastassem as catástrofes naturais, resolvemos criar as nossas também, Tudo em nome de uma suposta evolução. Somos todos capazes de constatar a evolução obtida pelo ser humano no último século. Realmente verificasse uma evolução espantosa em diversas áreas da actividade humana, mas questiono-me a que futuro nos levará e qual o custo a pagar para alcançamos tudo isto e se compensará.

Genocídios

Como podemos aceitar, quase que passivamente ou como se estivéssemos anestesiados, aos verdadeiros genocídios perpetrados contra minorias étnicas quando a terra pertence a todo o ser humano independente da sua raça, cor da pele, religião... Sei que corro o risco de ser rotulado de inocente, lunático e quem sabe até muito pior que isto. Mas aceito o direito de cada um pensar o que bem entender a este respeito, embora não concorde com este estado de coisas.

Guerras civis

Como podemos conceber que um militar acate a uma ordem imbecil do seu “superior” para atirar contra o seu próprio pai, irmão ou amigo de infância apenas pelo fato destes serem civis e estarem a reivindicar os seus direitos? Isto me faz recordar uma passagem colocada por Richard Bach no seu livro intitulado “UM”. É mais do que hora para os militares subalternos se apercebam de que a dor na consciência ficará, até ao fim da vida, na mente daquele que apertar o gatilho e não no subconsciente daquele que emite a ordem, pois este estará tranquilamente protegido dentro de um confortável gabinete muito distante do local onde se desenvolve o verdadeiro drama.

Como pai de família (outra das instituições cada vez mais ignorada e usurpada), pai de duas meninas lindas, e de ter como parceira e amiga uma esposa extremamente dedicada, querida e amorosa, não poderia deixar de preocupar-me com tudo isto. Como sita uma passagem Bíblica que diz mais ou menos o seguinte: Onde colocarmos as nossas preocupações ali estará o nosso tesouro! (?)

Uma das interrogações que mais nos assombra é tentar perceber em que mundo terão elas que sobreviver. Que tipo de educação devemos dar-lhes? Como podemos ensiná-las a respeitar o seu semelhante quando vemos a grande maioria dos outros pais a ensinar e a incentivar os seus filhos que devem se colocar acima de tudo e de todos, custe o que custar. Um mundo em que a televisão - como já tive a oportunidade de dizer em outro texto - através de seriados extremamente ridículos, valoriza a beleza exterior e ignora a interior, valoriza a ostentação do poder e da riqueza e ignora a partilha, partilha esta que deveria ser constantemente incentivada, independentemente das circunstâncias. A verdade é que a mídia/média, por diversos fatores e interesses, valoriza a hipocrisia e ignora os verdadeiros valores.

Sei perfeitamente que posso estar a parecer amargurado, mas não é este o caso. A verdade é que percebo perfeitamente que a inversão dos valores vem transformando a evolução humana numa verdadeira Torre de Babel. E isto evidencia-se nos temas dos primeiros parágrafos deste texto, e o reflexo disto é o “efeito dominó” que parece estar a acontecer neste momento nos países governados por verdadeiros ditadores, como é o caso de países como a Tunísia, o Egito e da Líbia, mas cuja consciência colectiva despertou para a realidade e aperceberam-se da verdadeira força que possuíam mas que estava amordaçada pelos anos de repressão. Segundo alguns especialistas acreditam, isto não ficará por aqui.

Não poderia terminar este texto sem elogiar a atitude do exército Egípcio que soube fazer a leitura correcta dos factos e compreender que devia subserviência ao governo da altura mas sem, com isto, por em causa a integridade física do seu próprio povo.

Ficarei por aqui desejando-vos uma boa reflexão!

Um abraço de carne e osso e até a próxima.

sábado, 26 de março de 2011

“Ideologia”

Ultimamente tenho utilizado alguns vídeos postados na internet para ilustrar as minhas reflexões, pois acredito que não haja nada melhor que a música para nos auxiliar nestes momentos.

Desta vez utilizarei um vídeo de uma canção do Cazuza e do Frejat (Banda Barão Vermelho), “postada” no “YOUTUBE” para exemplificar o sentido deste texto. A canção chama-se “Ideologia”.


Respeito os seres humanos Cazuza e Frejat e até admito que não deixei de gostar desta banda, mas não concordo minimamente com o sentido desta canção. Quem tem heróis como os desta canção só poderá ficar a assistir a tudo em cima do muro, e isto, se não cair dele.

Como milhares de brasileiro da minha geração, eu também deixei-me embalar por diversas canções como esta, mas foi necessário crescer o suficiente para descobrir que um verdadeiro herói não morre por OVERDOSE e IDEOLOGIAS é o que não falta. O que falta é coragem de nadar contra a corrente…

Por opção própria e por orientação familiar jamais utilizei droga alguma, o que não quer dizer que sou contra aqueles que optam por este caminho, pois respeito a liberdade e as opções de cada um, apenas não concordo com opções que nos arrastam para o abismo, e as drogas é, com certeza, uma delas.

Há alguns anos atrás eu definiria este pensamento como reflexos da idade, mas hoje verifico que na realidade é uma questão de amadurecimento pessoal. Só nos apercebemos da realidade das coisas após um longo caminho percorrido. Hoje constato, com uma certa angustia, que a minha geração (apesar dos alertas dados por pessoas bem intencionadas), não foi capaz de enxergar a realidade dos fatos/factos a nossa volta. Éramos crianças sonhadoras, constantemente bombardeadas e iludidas por promessas vãs e por canções com refrãos nem sempre bem estruturados mas apenas melodiosos.

Alguns dos meus atuais heróis são:

Mohandas Karamchand Gandhi - Mahatma Gandhi

De origem indiana, idealizou e fundou o moderno Estado indiano e foi o maior defensor do princípio da não-agressão, forma não-violenta de protesto como um meio de revolução. Inspirou várias gerações de ativistas pacifistas como por exemplo: Martin Luther King e Nelson Mandela.

Martin Luther King

Ativista politico de origem Afro-Americana, foi pastor protestante e lutou pelos direitos civis dos negros nos Estados Unidos e no mundo, utilizando a mesma ideologia de Gandhi (A não-violência e o amor ao próximo). Recebeu o Prémio Nobel da Paz em 1964 sendo a pessoa mais jovem a receber este premio. Sua frase mais famosa foi: "Eu Tenho Um Sonho".

Agnes Gonxha Bojaxhiu - Madre Teresa de Calcutá

Foi missionária católica albanesa, nascida na República da Macedônia e naturalizada indiana, beatificada pela Igreja Católica em 2003. Fundou a congregação "Missionárias da Caridade", tornando-se conhecida ainda em vida pelo cognome de "Santa das sarjetas". Aos 12 anos ouviu um jesuíta que era missionário na Índia dizer: “Cada qual em sua vida deve seguir seu próprio caminho”. Tais palavras a impressionaram e se determinou a dar um sentido à sua vida, fez-se missionária e entregou-se ao serviço dos mais carentes.

Joaquim José da Silva Xavier - Tiradentes

Independentista de origem brasileira. Foi dentista, tropeiro, minerador, comerciante, militar e ativista político que atuou no Brasil colonial, mais especificamente nas capitanias de Minas Gerais e Rio de Janeiro. Tiradentes é reconhecido no Brasil como mártir da Inconfidência Mineira e patrono cívico do Brasil.

Jesus Cristo

Acredito ser desnecessário descrever sua história, mas como cristão não poderia deixar de citar o seu nome como expoente máximo da história humana. Não o vejo como um herói mas como um libertador em todos os sentidos.

Não existe apenas um fato a unir os personagens acima, mas vários. Mas o mais evidente e intrigante é que nenhum deles morreu por OVERDOSE, mas sim ASSASSINADOS! Com exceção de Madre Teresa. Por que? Porque estas pessoas não lutavam por interesses próprios ou escusos. Não discutiam IDEOLOGIAS vãs. Estas pessoas foram assassinadas por lutarem contra a opressão, contra a exploração, a discriminação social e racial… enfim, por causas justas e pelos interesses dos seus povos.

Se estás a procura de uma IDEOLOGIA para viver, leia um pouco sobre estes exemplos e com certeza encontrarás.

Seria muitíssimo interessante e gratificante ver as novas gerações serem capazes de identificar e cultivar os verdadeiros valores do ser humano e não se deixarem mais levar por imagens enganadoras e refrãos vazios como o desta canção.

Concluirei este “post” citando um provérbio chinês que diz o seguinte:  

“Inteligente é aquele que aprende com os próprios erros, mas sábio é o que aprende com os erros dos outros”.

Desejo a todos uma boa reflexão.

Albino Moura


domingo, 27 de fevereiro de 2011

“Admirável Gado Novo”

Antes de mais gostaria de pedir àqueles que desejarem fazer esta reflexão, para que não deixem de assistir o vídeo (copiado do YOUTUBE) que apresento no final deste texto. Este vídeo ilustra bem o que descrevo abaixo.

Como cidadão que acompanha normalmente os noticiários, preocupado com o rumo que as sociedades estão a tomar, além de ser bastante crítico, tanto com os políticos como com os meios de comunicação/jornalistas, tenho um compromisso para comigo próprio, a honestidade.

Não posso deixar de compreender que a politica tem diversas nuances. Na politica, como nos relacionamentos interpessoais, muitas vezes e por mais que nos incomode, há sempre a necessidade de estarmos ao lado e até apertar a mão de pessoas sem o mínimo de escrúpulos. Engolir sapos, como diz o ditado popular. Compreendo perfeitamente que os líderes mundiais, por razões administrativas e protocolares tenham que posar para os repórteres e câmaras de televisão - ávidos pelos possíveis furos de reportagem - ao lado de ditadores tiranos e cruéis, como é o caso do líder líbio, Muammar Kadhafi. E é exactamente aí que eu critico os jornalistas e os meios de comunicação quando se utilizam destes mesmos momentos para manipular as massas. É muito fácil estarmos confortavelmente sentadinhos nos nossos sofás, a criticar os nossos governantes por posarem ao lado de tiranos. Mas quando falta a matéria-prima, extremamente necessária às nossas fábricas, quando falta o “ouro negro” para produzir o combustível para abastecermos os nossos veículos… A primeira coisa que fazemos é exactamente apontar o dedo aos nossos governantes acusando-os de não saberem dialogar com tiranos cujo único poder de dissuasão é o facto de, nos seus países, existir o tão cobiçado petróleo, o gás natural, os diamantes, a madeira, enfim, tudo o que necessitamos.

Proponho que se faça um exercício muito importante e que pessoalmente gosto de o fazer. Antes de lançarmos críticas a quem quer que seja, devemos nos colocar na posição destes e avaliarmos (sem ignorarmos as consequências das nossas decisões para o ser humano, independentemente da sua origem) o que é mais importante: Devemos manter as nossas fábricas a funcionar, e com isto mantermos os postos de trabalho e consequentemente o pão nas nossas mesas, ou devemos nos negar (seja por ideologia política, orgulho, preconceito ou por receio de como a imprensa poderá utilizar posteriormente estas mesmas imagens ou discursos) a apertar a mão de representantes de outros povos, sejam eles verdadeiros líderes, manipuladores ou ditadores tiranos?

Ouço, com frequência, dizerem que o problema está nos povos destes países por não saberem escolher os seus líderes, mas o que acontece nos países tidos como evoluídos culturalmente e democráticos? Sinceramente não vejo muitas diferenças.

Na minha opinião a única diferença está na forma de como as massas são manipuladas!

Como exemplo vejam a qualidade dos nossos programas de televisão: Domingão do Faustão, O melhor do Brasil (um verdadeiro atentado. O Brasil é lindo, e o nosso povo tem muito mais à mostrar do que isto!). O BIG BROTHER BRASIL já está na sua 11ª edição e até em alguns jornais há uma coluna diária para comentar aquele festival de besteiras. Aqui em Portugal, após a 2ª edição deste mesmo programa - se não me falha a memória - foi maquiado (maquilhado), tomando diversas formas, como por exemplo a Quinta dos Famosos e outros mais.

Querem saber porque não há bons programas para divertimento com fins educativo na televisão brasileira? Pura e simplesmente porque isto esclareceria o povo, o que não convém a alguns. Não estou a me referir apenas aos políticos, mas principalmente aos meios de comunicação de massa que passam a vida a acusar o governo pela falta de investimento na cultura, quando eles próprios não o fazem. Além da escola é claro, existem outros veículos mais eficazes e vocacionados para difundir a cultura do que os jornais, o rádio e principalmente a televisão?

Não posso deixar de reconhecer que, aqui em Portugal, apesar de tudo, ainda há muita gente boa a tentar criar ou mesmo copiar uma programação de boa qualidade.

Há muito à fazer. E temos que começar por nós próprios! É necessário dizer basta a tudo isto. Temos que mostrar que estamos fartos e que não queremos mais que despejem esse lixo nas nossas casas. Diariamente é despejado imenso volume de desinformação até mesmo nos telejornais. Lixo! É isto mesmo, puro lixo, o que despejam, nas nossas salas, quartos e cozinhas, as emissoras de televisão. Estamos a permitir que nos manipulem. E o que é pior, estamos a permitir que manipulem aos nossos próprios filhos também. Foi assim que nos tornamos parte desta imensa massa inabilitada a perceber que estávamos a ser utilizados. Se não fizermos urgentemente algo para alterar este estado de coisas, também eles farão parte desta mesma massa, disforme e sem rumo definido.

Antes de mais, é necessário que haja uma revolução pessoal. Sem ela não haverá revolução social, pacífica, contra os manipuladores e ditadores tiranos!

Boa reflexão e até já.

Albino Moura